24 dezembro 2009

Renê Weber é o cara?


Depois de muita espera e especulação, no dia 22 deste mês o Figueirense finalmente anunciou o novo comandante do clube. O gaúcho Renê Weber chegou ao Estreito com a árdua missão de conquistar a confiança do exigente torcedor alvinegro. Terá de provar a nação alvinegra que veio para ser o treinador que faltava ao Figueirense nesses últimos tempos, com pulso, coragem, garra e vontade, que irá conseguir grandes vitórias e titúlos, além de recolocar o Furacão de volta à elite do futebol nacional.
 Mas será Renê Weber o cara?
Sinceramente, como já havia dito no post anterior, desconheço qualquer trabalho seu em outro clube. Não me recordo nem dos tempos de Criciúma, muito menos dos tempos de Seleção Brasileira Sub-20. Aliás, quase ninguém daqui conhece seu trabalho. Veio como uma aposta da diretoria, assim como Adilson Batista, Waldermar Lemos e Guilherme Macuglia.
Com certeza se fosse eu a pessoa responsável por contratar o novo treinador, RW não estaria em nenhuma lista dos "candidatos" a vaga, até poqure, como já havia dito, conheço muito pouco sobre ele. Entretanto, o que me deixa aborrecido é ver alguns torcedores com uma mania muito irritante e desagradável de já começar a apostar para ver até que rodada do estadual ele permanece no cargo. Ficam agorando. Mal chegou, nem sabem como é o trabalho do profissional e mesmo assim já querem o pescoço do homem. Deixem RW mostrar o que sabe, sua filosofia de trabalho, suas idéias para depois fazer qualquer comentário ou tirar qual conclusão. Tem gente que se passa!
E para as pessoas que torceram o nariz com a vinda de RW, um nome que a maioria gostaria de ver como treinador do alvinegro é o de Mauro Ovelha da Chapecoense. Ao meu ver, Ovelha seria uma icógnita assim como Weber.  Muitos iriam dizer "ah, mas MO já fez um bom trabalho no Atlético de Ibirama e agora na Chapecoense!". É verdade. Sem qualquer sombra de dúvidas. Ovelha fez um excelente ano de 2009 na Chapecoense. Foi vice-campeão estaudal, conquistou uma vaga na Copa do Brasil e na Série D e coroou a temporada com o acesso para a Série C. Fora as boas campanhas anteriores com o Atlético de Ibirama. Você deve pensar que neste exato momento que acabei de me contradizer, certo? Pois bem, não me contradigo e explico o por quê: uma coisa é você treinar uma equipe sem tanta pressão, com uma torcida que comparece em pequeno número no estádio, que não é tão fanática e apaixonada pelo clube. Outra coisa é você treinar um Figueirense, onde existe uma numerosa torcida inflamada, exigente e atuante. Uma coisa é você treinar uma equipe que ocupa o segundo lugar na preferência dos torcedores da sua cidade: em Chapecó, na grande e esmagadora maioria dos casos, você tem a preferência pelo Grêmio ou Internacional, ficam como segundo time a Chapecoense. Outra coisa é você treinar um Figueirense, que na primeira substituição equivocada sua, você já tem, na melhor das hipóteses, metade do estádio ecoando um vento sul danado ou então um sonoro burro.
Para deixar um pouco mais claro meu ponto de vista: quantos jogadores e/ou treinadores vindos de equipes  do interior do estado ,chegaram a Florianópolis e não vingaram? Sérgio Ramirez (graças a Deus nunca veio pra cá), Marlon, Mazinho, Zatron, Gralha, Selmir e por aí vai. Eram apostas, icógnitas que não deram resultado aqui, mas que em outros lugares eram certezas. Quantos jogadores e/ou treinadores que estouraram na Ponte Preta, Guarani, Bragantino, Noroeste de Bauru entre tantos outros do interior paulista, que quando foram para os grandes de São Paulo não deram certo também? Dinélson, Bill, Vadão, Luciano Henrique, Jean, Roger, etc. Apostas que não deram certo, mas que aconteceram em outros lugares.
Voltando para Santa Catarina, então quer dizer que Mauro Ovelha não daria certo aqui? Ninguém sabe. Poderia ser um técnico vitorioso com o Figueira? Claro que sim, mas como poderia ser mais um fiasco atmbém. E isso vale também  para Renê Weber.
Se Renê Weber é o cara? Não sei. Só o tempo dirá. Primeiro, vamos a forma de trabalho dele para depois julgar e dar o veredito.

Como sempre digo: infelizmente, há coisas que só  esperarando para ver!

Um comentário:

Michel Antonio Vieira disse...

Realmente, só o tempo dirá se RW vai ou não ser dar bem no Figueirense. A contratação do mesmo não me encheu os olhos, mas se for parar para pensar, ele era a melhor opção. Eu explico: Dos 15 jogadores anunciados pelo Figueira nos últimos dias, 80$ destes jogadores são jovens, promessas, querem mostrar futebol, ou seja, trazer um treinador com estilos de Roberto Fernandes, Pintado? Não ia dar certo. Esses treinadores são conhecidos por não terem paciência com esses tipos de jogadores, isso sem falar na promessas alvinegras que devem subir para o profissional. Esse ano, o Figueirense tinha um dindim razoável, tava estreando na Série B, então, tinha lá umas quantias guardada das conquistas anteriores. Mais com a permanência na Série B, esse renda que já não era bom, diminuiu. Então achar um técnico no mercador, disnponível, que saiba trabalhar com jovens jogadores, e que se encaixa com o patamar Financeiro do Figueira, esse cara é o Renê Weber. Essa é a real situação vivida pelo Figueirense. Não estou confiante, mas também não fiquei surpreendido com a contratação, ficaria surpreso eu se vinhesse pra floripa, um Benazzi, RF, Pintado, Bonamigo... Nenhum desses se encaixa no patamar finaceiro$$$ do Figueira...
UM ABRAÇO!